terça-feira, 11 de agosto de 2015

Más lembranças e a redenção em Jesus Cristo

ampulheta-quebrada-grandeO nível atual de verdadeiro conhecimento bíblico é alarmante. Não é incomum ouvirmos ditados populares sendo encarados como versículos bíblicos. Um destes exemplos é: Deus perdoou, mas, e você, se perdoou?

O que me assusta, além da imprecisão ou desconhecimento do verdadeiro conhecimento bíblico é a velocidade do avanço, na mente e no coração dos cristãos, de ensinos tão longínquos da Palavra de Deus.

Um dos assuntos mais impactantes, atualmente, é sobre o passado e a forma de encará-lo. Quantas pessoas conhecemos, que tiveram experiências trágicas e marcantes, não conseguem se ver livres do pesadelo das más lembranças que o passado ainda imprime? Tais pessoas tornaram-se amargas, emburradas, melancólicas, desconfiadas, enfim, os adjetivos e as características são inúmeros, e isto, tão somente, porque seguem o falso ensino que afirma que o passado é o ditador do presente e o definidor do futuro.

Antes de continuarmos, é preciso esclarecer que não estamos diminuindo as experiências ruins e impactantes. Não estamos minimizando grandes tragédias que realmente podem destruir as expectativas ou o futuro de uma pessoa. Reconhecemos que há questões mais graves do que outras, e, não queremos medir as más lembranças de uns pelas más lembranças de outros. Medir desta forma, seria incorrer no mesmo erro de centralizar o homem como medida das coisas. O que desejamos, com este breve artigo, é relembrar que a Bíblia não está em silêncio sobre esta área da nossa vida.

A Palavra de Deus tem respostas para nos ajudar a encarar o nosso passado, por mais feio e triste que ele seja, pelos olhos da realidade do céu, pela perspectiva da maravilhosa soberania de Deus, segundo sua Palavra. Portanto, eis o convite desafiador para você, ou seja, olhar para seu passado e ver o cuidado do bom pastor que é Jesus Cristo.

A primeira realidade sobre o passado e as más lembranças é que eu não preciso ignorá-lo ou tentar esquecê-lo.

Muitos optaram por esta decisão. Uma vez que o passado é ruim e as lembranças são como setas envenenadas a destruir toda e qualquer esperança, dizem que o melhor a fazer é tentar esquecer. Alguns, nesta tentativa, escolheram não falar sobre o passado de jeito nenhum; outros escolheram tentar esquecer por meio do sexo; outros escolheram esquecer usando drogas; outros escolheram o caminho da embriaguez; e há ainda os que escolheram não permitir que ninguém se aproxime para manter uma boa e íntima amizade, afinal, intimidade implicaria em ter que conhecer e se dar a conhecer.

Tais caminhos podem, temporariamente e aparentemente, funcionar. Porém, há um caminho sobremodo excelente e este caminho é apontado pela Palavra de Deus.

No maravilhoso livro de Provérbios encontramos a seguinte orientação: Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as suas veredas. Não sejas sábio aos teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal; será isto saúde para o teu corpo e refrigério, para os teus ossos. (Provérbios 3. 6-8)

Que desafio extraordinário é este! Uma ordem dada e uma promessa apresentada. A ordem é para que se reconheça que Deus está presente em todos os nossos caminhos. A promessa é a vida plena, vida cheia da graça do bom Deus. Em todas as circunstâncias da vida, boas ou ruins, a ordem é para que se reconheça que lá estava Deus.

Uma experiência que me marcou foi quando precisei aconselhar uma jovem cristã que havia sido violentada. Durante nossas conversas, em lágrimas, ela sempre me confrontava fazendo a seguinte pergunta: “onde estava Deus”? Depois de algum tempo, numa conversa em aconselhamento, passamos novamente por alguns textos e finalmente, ela disse: “não sei o porquê de tudo o que aconteceu, mas, hoje, reconheço que Deus estava comigo”. Esta jovem se casou, teve filhos e a vida seguiu seu rumo. Finalmente estava liberta do seu trágico passado. Ela não entendeu o que havia acontecido, mas compreendeu que nunca foi desamparada pelo seu Senhor.

Não seja sábio aos seus próprios olhos, seguindo os caminhos artificiais que minimizam, temporariamente, as angústias produzidas por experiências ruins e alimentadas por más lembranças. A Palavra de Deus é o único instrumento eficaz para tratar os dilemas do coração. (Hebreus 4.12).

Outra realidade sobre o passado e as más lembranças é o desafio em reconhecer a soberania de Deus na condução de toda a sua história.

Uma das grandes e confortadoras doutrinas da Palavra de Deus é a doutrina da Soberania de Deus. É lamentável que os evangélicos brasileiros rejeitem tal doutrina. As músicas produzidas atualmente colocam o homem no centro de tudo e como sendo o responsável final sobre os eventos. Mensagens que desafiam “a ir além” “a ser forte” “a confiar em si mesmo” ou, “tire forças do fundo do seu coração” contrariam a realidade de que a força, e o poder, pertencem a Deus. (1 Crônicas 29. 11). Reconhecer que Deus continua como o Soberano Deus não é um favor que fazemos, antes, é um sinal de reverência diante do Deus Altíssimo.

Em certa ocasião, ouvi um sermão em que várias experiências negativas foram contadas pelo pregador. Uma curiosidade é que as experiências foram todas negativas e sequenciais. Ao final de cada experiência negativa vivida pelo pregador e sua família ele dizia o seguinte: “em meio aos aspectos negativos não víamos solução a curto prazo, mas em cada experiência negativa, podíamos ver traços marcantes da bondade de Deus”. Eis um servo de Deus, tendo experiências ruins, porém, reconhecendo a condução de soberana de Deus em bondade para cada momento da vida.

Preciso enfatizar que não estamos diminuindo o impacto das tragédias da vida e suas más lembranças. O que queremos enfatizar é o fato de que, podemos encontrar na Palavra de Deus, a realidade de que tudo está debaixo e conforme o que Deus estabeleceu. (Salmo 115.3). Cremos que Deus é poderoso para redimir nossas más lembranças.

Como é reconfortante e como produz segurança para a alma saber que servimos ao Deus soberano. Diante das grandes tragédias, podemos declarar... nosso Deus continua sendo o Deus soberano. Quando nos sentimos fracos e desanimados, podemos contar com o Deus soberano. Quando somos tentados ou intimidados por nosso inimigo, Satanás, podemos experimentar segurança e paz, afinal, servimos ao Deus soberano.

Outra realidade sobre o passado e as más lembranças é o triunfo de Jesus Cristo sobre as más lembranças pecaminosas.

Muitos convertidos receberam um ensino que é estranho à Palavra de Deus. Quando confrontados com o passado, como já vimos, ignoram, tentam esquecer, querem anular completamente, por meio do esforço pessoal, as más lembranças, ou, buscam alguma técnica de psicoterapia.

Pensando biblicamente, devemos lembrar que Jesus Cristo nos regenerou, nos lavou e nos purificou. Seu sangue derramado na cruz, finalmente, não apenas cobriu pecados, mas nos lavou de todo o pecado. (1 João 1.7).

Infelizmente é comum cristãos afirmarem ter dúvidas sobre se Deus, de fato, poderá perdoar seus pecados. O que parece ser uma atitude piedosa, demonstra, na realidade, arrogância e incredulidade. Pensam que cometeram tantos pecados que nem mesmo Deus será capaz de perdoá-los. É como se o pecado fosse maior e mais poderoso que Deus. Seria o mesmo que dizer que o pecado é soberano, não Deus.

A Palavra de Deus apresenta outra realidade. Transformados pela graça, o maior desejo daquele que foi alcançado por Cristo é honrá-lo em todos os aspectos, e isto inclui as lembranças. Por isso, afirmamos que as más lembranças podem ser redimidas. Podem ser pesadas/medidas pelo critério da graça e da cruz. Podem ser julgadas definitivamente pelo perdão que vem de Deus àqueles que sinceramente confessarem seus pecados. (1 João 1.9).

Cristo nos libertou e verdadeiramente somos livres. (Gálatas 5.1).

Quando confrontado por dúvidas quanto à eficácia do perdão de Deus por meio de Jesus Cristo, lembre-se de confessar a Deus o pecado da incredulidade e apropriar-se dos maravilhosos benefícios da cruz, a saber, paz com Deus. (Romanos 5. 1 e 2).

Conclusão:

Deus está interessado em todas as áreas da sua vida e em cada aspecto em particular. Tanto em relação ao céu, quanto em relação ao tempo que vivemos aqui. Não espero que todas estas considerações apresentadas se tornem realidade instantaneamente. Entretanto, devemos ter um norte, um alvo a seguir. Este alvo não é nosso bem-estar, não é uma vida sem crise. O alvo é a glória de Deus usando homens e mulheres santificados pelo seu Santo Espírito.

Minha oração é que você seja alvo da graça e da misericórdia de Deus, que suas más lembranças sejam redimidas e que você possa usar intensamente a Palavra de Deus para poder ler todas as suas experiências e sentimentos de forma bíblica, pois, a grande realidade foi registrada, o redentor Jesus vive e reina para sempre.

Jean Carlos Serra Freitas

Reações:

0 comentários:

Pesquisar este blog

Pesquisar por assunto

Aconselhamento Bíblico (24) Adultério (1) Aflição (2) Agradar a Deus (3) Alegria (6) Amor (2) Amor ao próximo (1) Anarquia (1) Ano Novo (2) Ansiedade (1) Argumentação (7) Arrependimento (5) Auto-estima (2) Auto-justiça (4) Autoridade (1) Casais (2) Casamento misto (1) Compaixão (3) Comportamento (13) Comunhão (2) Comunicação (5) Confiança (6) Conflitos (2) Confrontação (2) Conhecimento de Deus (4) Consolo (5) Contentamento (3) Convencimento (5) Coração (5) Coração de pedra (1) Cosmovisão (7) Criação de filhos (6) Cuidado da alma (5) Cuidados do conselheiro (2) Culpa (3) Dependência de Deus (2) Depravação total (1) Depressão (1) Desejos do coração (7) Deus conosco (1) Direitos (1) Dor (2) Edificação do irmão (1) Egoísmo (3) Emoções (6) Encorajamento (9) Engano (4) Escolhas (2) Esperança (3) Estudo (1) família (2) Farisaísmo (2) Fariseu (3) (1) Filosofia (1) Fundamentos (12) Glória de Deus (5) Guerra (3) Idolatria (10) Ídolos do coração (3) Imagem de Deus (1) Instrução (3) Intentos do coração (1) intimidade com Deus (1) Inversão de valores (2) Ira (2) Jean Carlos (12) Jean Carlos Serra Freitas (10) Jônatas Abdias (26) Justiça de Deus (1) Justiça própria (2) Justificação (1) Legalismo (2) Liberdade cristã (2) luta por poder (1) Más lembranças (3) meios de graça (1) Mentira (2) mil (1) milt (1) Milton Jr. (55) Monismo (1) Motivação (11) Motivações (4) Obediência (1) Objetivos (1) Oração (1) Orgulho (2) Paciência (2) Palavra de Deus (10) Passado (3) Paz (5) pecado (3) Perdão (5) Piedade (4) Plano de Deus (3) Planos (1) Prática da Palavra (17) Prática do aconselhamento (5) Presença de Deus (2) Pressupostos Teológicos (18) Psicologia (4) Psiquiatria (1) Racionalização (1) Redenção (7) Relacionamentos (6) remédios psiquiátricos (1) Remorso (2) sabedoria (5) Salvação (1) Santificação (2) Soberania de Deus (7) Sofrimento (6) Suficiência das Escrituras (22) Tarefas (1) Temor de homens (2) Temor do Senhor (1) Tesouros (1) tristeza (5) Unidade (1) Verdade (4) Vida cristã (23) Vontade de Deus (3)